Falta de chuva propicia alastramento de incêndios no Pantanal

O fogo avança em várias regiões do Pantanal e não há previsão de chuvas mais fortes, segundo o Climatempo, site especializado em meteorologia. O quadro é de manutenção de alerta máximo neste mês de setembro.

Para a região de Corumbá (MS) chuvas podem ocorrer no próximo Domingo. Em Cáceres (MT) a previsão é de pancadas de chuva a partir deste sábado. Já no município de Poconé (MT), onde existem frentes de incêndios sendo combatidos, a previsão indica pancadas de chuva somente a partir de sábado. Porto Murtinho (MS), no extremo sudoeste do Pantanal não há previsão de chuvas para os próximos dias.

O fogo ameaça casas de moradores, devastou extensas áreas de vegetação nativa – Foto: Ecoa

Já em Miranda (MS), há previsão de pancadas de chuvas no Domingo. Quanto ao rio Paraguai (Cáceres a Porto Murtinho) o nível segue muito baixo. Em Ladário (MS), junto de Corumbá, apresentava – 0,23 centímetros. Em 2020 nesta mesma data a altura era de 0,12, mas seguiu baixando até -0,31, recuperando-se somente em novembro com as chuvas. Para se ter ideia da gravidade da situação uma referência é 2019, quando na data (22/9) o nível do Paraguai em Ladário era 2,68 metros.

A equipe da Ecoa entrou em contato com moradores em várias regiões do Pantanal e as informações mostram o quadro local é crítico. O fogo ameaça casas de moradores, devastou extensas áreas de vegetação nativa e ameaça se propagar para áreas que sofreram com os incêndios em 2020. Com informações do Ecoa

Sem Comentarios

2010 © Gazeta do Pantanal - Campo Grande - MS - www.gazetadopantanal.com