Início » Perícia inicial descarta tiro como causa da morte da sucuri Ana Júlia

Perícia inicial descarta tiro como causa da morte da sucuri Ana Júlia

por Redacao
0 comentário

Peritos pretendem fazer um levantamento detalhado para tentar descobrir se ela foi vítima de alguma agressão – Foto: Reprodução

Após receber uma denúncia formal sobre a morte da famosa sucuri, a PMA (Polícia Militar Ambiental), juntamente com a Polícia Civil, encaminhou equipes para às margens do Rio Formoso, em Bonito, a fim de investigar a fundo as causas e motivações que levaram ao falecimento de Ana Júlia. Porém, ao contrário do que tinha sido noticiado inicialmente, indícios de perfuração provocada por tiros não foram encontradas.

Conforme o delegado titular da Polícia Civil de Bonito, Pedro Ramalho, ele, juntamente com uma equipe de peritos irão periciar a sucuri, nesta terça-feira (26), para verificar o que de fato ocorreu. “Se for comprovado que a morte foi provocada pelo ser humano, essa pessoa irá responder por crime contra a fauna”, explica o delegado.

De acordo com o delegado, se for comprovado o envolvimento do ser humano na morte da sucuri, a pessoa poderá responder por crime ambiental e pegar de seis meses a um ano de prisão, além de uma multa que pode chegar até R$500 mil.

Ademais, após a perícia concluir a investigação, a Ana Júlia será levada até Campo Grande para passar por um processo de embalsamamento, uma técnica utilizada para preservar o animal morto. Depois deste processo ser concluído, ela será exposta no acervo de animais taxidermizados da PMA, segundo o comandante da unidade, coronel José Carlos Rodrigues.

Nesta terça-feira (26), Cristian Dimitrius utilizou novamente as redes sociais para comentar a importância das sucuris para o ecossistema nacional

“As sucuris, com sua imponência e serenidade, representam a grandeza da fauna brasileira. Elas são verdadeiras guardiãs dos ambientes aquáticos, ajudando a controlar as populações de outras espécies e mantendo o equilíbrio dos ecossistemas. Ao preservarmos as sucuris, não apenas estamos protegendo uma espécie incrível, mas também todo o ecossistema ao qual elas pertencem. Cada ser vivo tem seu lugar na teia da vida, e as sucuris não são exceção. Elas merecem nosso respeito e admiração.”, relatou.

Contextualizado

A conhecida Sucuri Ana Júlia foi encontrada morta às margens do Rio Formoso, em Bonito, no domingo (24). Dentre as variadas denúncias feitas nas redes sociais, a mais impactante foi do cinegrafista e fotógrafo Cristian Dimitrius, do qual tinha uma relação próxima com a famosa cobra há 10 anos.

Além de figurar em diversos documentários, ela também serviu como estudo para pesquisadores por pelo menos oito anos e cedeu muitas informações acerca de sua espécie para a ciência. Uma sucuri pode viver cerca de dez anos em ambiente natural e pode chegar até 30 em cativeiro.

Nota de repúdio da prefeitura

Na manhã desta segunda-feira, antes do início oficial das investigações, a prefeitura de Bonito postou uma nota sobre o ocorrido:

“A Prefeitura de Bonito manifesta total repúdio pelo ocorrido com a Sucuri ‘Ana Julia’ em nosso município. A relevância de um animal desse porte nas nossas áreas mostram o quão equilibrado o nosso ambiente está, porque um ambiente para suportar um animal topo de cadeia, como uma sucuri de quase 7 metros, precisa estar no mínimo equilibrado e essa atitude pessoal, de alguém que cometa um ato como este, é totalmente desprezível e vai contra tudo aquilo que a gente trabalha para em prol do meio ambiente. Então esperamos que as autoridades competentes consigam identificar os autores e punir os culpados”. Fonte: Correio do Estado

Você Pode Gostar

©1993-2023 – Gazeta do Pantanal