Início » Paróquia N. S. Imaculada de Aquidauana completa 100 anos

Paróquia N. S. Imaculada de Aquidauana completa 100 anos

por Redacao
0 comentário

Conhecida pela grande fé de seu povo, Aquidauana tem motivos de sobra para comemorações religiosas. Exemplo disso ocorre com a paróquia Nossa Senhora da Imaculada Conceição, instalada na cidade em 4 de abril de 1912, na época pelas mãos de Dom Cyrilo Paula de Freitas, Bispo Diocesano de Corumbá, da congregação Salesiana.

Paróquia Nossa Senhora da Imaculada Conceição Foto: Sirnay Moro

Até então, a comunidade católica era dirigida pelos Padres Salesianos, que por falta de sacerdotes na cidade, ficou em dependência da Paróquia de N. S. da Candelária de Corumbá. A posse na Paróquia, do 1º vigário, dera-se em 1º de janeiro de 1920.

No dia 23 de janeiro de 1930, a Igreja Matriz da Paróquia de Nossa Senhora Imaculada Conceição de Aquidauana foi entregue oficialmente aos Padres Redentoristas nas pessoas dos Padres Francis Mohr e Alphonse Hild, hoje, administrada pelo Padre Álvaro Cesar Cavazzani.

As festividades dos 100 anos da paróquia tiveram culminância neste último sábado, dia 08 de dezembro, dia consagrado a N. S. Imaculada Conceição, com missa realizada pelo Bispo Dom Jorge e a tradicional ‘quermesse’ na Praça da Matriz.

CHEGADA DOS REDENTORISTAS

Sábado, dia 23 de novembro de 1.929 a bordo do navio “S. S. Northern Prince” dois redentoristas, Francis Mohr e Alphonse Hild, partiram de Nova York para a diocese de Corumbá no sudoeste de Mato Grosso, o novo campo apostólico assumido pela Província Redentorista de Baltimore nos Estados Unidos . 0 que levou os Redentoristas a assumir esse desafio apostólico foi a insistência da Santa Sé, e a Carta de Dom Antônio de Almeida Lustosa, bispo de Corumbá, ao Superior Geral dos Redentoristas em Roma.

Em 1927 a Santa Sé consultou o Pe. Patrick Murray, Superior Geral dos Redentoristas, sobre a possibilidade da Congregação do Santíssimo Redentor tomar parte na política da Santa Sé de auxiliar os países da América Latina para minorar o problema da falta de padres.

Em carta de 26 de junho de 1929, o Pe. James Baron, superior provincial, comunicou a Dom Antônio de Almeida Lustósa que a província de Baltimore, por ordem de seus superiores em Roma, estava para enviar dois sacerdotes para a Diocese de Corumbá, ad experimentum. Se tudo corresse bem, outros sacerdotes seriam enviados. Os padres Francis Mohr e Alphonse Hild seriam os pioneiros da Missão Redentorista em Mato Grosso.

Na manhã do dia O5 de dezembro de 1929 os Padres Mohr e Hild foram recebidos pelos redentoristas holandeses no Rio. A noite embarcaram para Santos onde o Pe. Estevão Heigenhauser, Vice-Provincial dos redentoristas alemães de São Paulo, os aguardava. Permaneceram em São Paulo 6 semanas para se familiarizarem com a Língua Portuguesa e fazerem os últimos preparativos a fim de lançarem-se definitivamente para o “Hinteriand”.

No dia 20 de janeiro, em companhia do Pe. Estevão Heigenhauser, partiram de trem de Bauru. Três dias depois, empoeirados da viagem, chegaram a Aquidauana, ponto final de uma longa viagem, início de uma caminhada mais longa ainda.

A NOVA MISSÃO

A população toda, juntamente com as autoridades, recebeu de corações e braços abertos os missionários. Em seguida, em procissão, guiados pelo Padre Salesiano que ali residia, dirigiram-se para a igreja. Nesse dia, 23 de janeiro de 1930, a Igreja Matriz da Paróquia de Nossa Senhora Imaculada Conceição de Aquidauana foi entregue oficialmente aos Padres Redentoristas nas pessoas dos Padres Francis Mohr e Alphonse Hild.

NOSSA SENHORA DO PERPÉTUO SOCORRO

A primeira novena de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro foi pregada e dirigida pelo Pe. Afonso da Vice-Província de São Paulo. Quase a metade dos 5.000 habitantes de Aquidauana participou da solene procissão de encerramento do dia 22 de junho de 1930. Inscreveram-se 370 pessoas como membros da Arquiconfraria de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro.

No fim de junho chegou notícia de que os 4 novos padres chegariam em breve. Foi anunciada, também, a notícia auspiciosa e que a Missão de Aquidauana estava oficializada. Isso trouxe tranquilidade aos missionários, pois, por algum tempo, no início de 1930, em Roma cogitara-se retirar os Padres Redentoristas de Aquidauana e enviá-los para o Norte do Estado para cuidarem dos índios do Xingu.

Os padres Rudolph Reis, Joseph Fien, William Fee e Henry Pflug chegaram a Santos no dia 18 de julho de 1.930. Em 9 de agosto foi feita a distribuição dos 6 padres para as três comunidades permanentes. Para Aquidauana vieram os padres Francis Mohr e Henry Pflug.

PLANEJAMENTO

Em outubro o Padre Francis convocou todos os padres para uma reunião em Aquidauana.
Eis alguns itens da agenda: meios e métodos de trabalhos apostólicos; ampliação ou construção de igrejas; aquisição de terrenos para construir as residências dos padres; religiosas para dirigir as escolas; manutenção das comunidades.

ESCOLAS PAROQUIAIS

0 ano de 1931 marcou uma nova fase para a recém-criada Missão Redentorista de Aquidauana. Após a reunião de outubro do ano anterior, o Pe. Francís solícftou ao Pe. Estevão Heigenhauser, em S. Paulo, que lhe indicasse alguma Congregação religiosa feminina para dirigir as escolas que pretendia criar em todas as paróquias.

Pe. Estevão simplesmente atravessou a rua que separava a residência dos padres redentoristas da Casa Provincial das Irmãs Vicentinas atrás da Igreja da Penha, em São Paulo, e conversou com a madre provincial.

No dia 20 de janeiro a madre provincial e mais duas irmãs vicentinas estiveram em Aquidauana para um reconhecimento de seu futuro campo apostólico. No dia 09 de março de 1.931 começou a funcionar a primeira escola paroquial em Aquidauana com o nome de “Colégio de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro”, sob a orientação das Irmãs Vicentinas. Mais tarde recebeu o nome de “Ginásio Imaculada Conceição” – GIC, e formou milhares de estudantes desde o então curso primário até o ginasial.

IGREJA MATRIZ

A Igreja Matriz de Aquidauana foi construída na década de 1930 por ordem dos Missionários Redentoristas, sob a orientação do Engenheiro Alexandre Albuquerque, que participou da equipe responsável pela Catedral da Sé, em São Paulo/SP. Sua principal inspiração arquitetônica é do estilo gótico, porém traz influências de outros estilos. Em forma de cruz latina, com seus arcos quebrados e seus vitrais, que são verdadeiras obras de arte, é a principal construção histórica da cidade, e forma um conjunto com a Casa dos Missionários Redentoristas e a Escola Paroquial, ambas construídas em torno da Praça Nossa Senhora da Imaculada Conceição, nas proximidades da Ponte Roldão de Oliveira, a Ponte Velha.

Você Pode Gostar

©1993-2023 – Gazeta do Pantanal