Polícia retira mais de 400 corpos de casas e ruas na Bolívia; maioria é de vítimas da Covid-19

Policiais retiraram mais de 400 cadáveres de ruas e casas na Bolívia em apenas cinco dias, relatou nesta terça-feira (21) a Força Especial de Luta Contra o Crime (FELCC). Desse total, estima-se que a maioria morreu por Covid-19.

Somente na cidade de Cochabamba, 191 cadáveres foram retirados. Em La Paz, sede do poder boliviano, houve 141 resgate de corpos, informou o diretor nacional da FELCC, coronel Iván Rojas, a jornalistas. A operação ocorreu entre 15 e 20 de julho.

De acordo com Rojas, 85% dos cadáveres são de mortos confirmados pelo novo coronavírus ou que apresentaram sintomas da Covid-19. As autoridades bolivianas vão catalogar esses casos como “suspeitos” — não está claro se todos poderão ser testados.

Trabalhadores levam caixão de vítima da Covid-19 em asilo em Cochabamba, na Bolívia, nesta terça-feira (21) – Foto: STR/AFP

Os 15% restantes, explicam as autoridades bolivianas, são de mortos por outras doenças ou mesmo de violência, acrescentou.

Segundo o departamento epidemiológico nacional, o coronavírus está em “uma escalada muito rápida” nas regiões de La Paz e Cochabamba, ambas no oeste da Bolívia.

O diretor do Instituto de Investigações Forenses, Andrés Flores, informou que entre 1º de abril e 19 de julho a entidade pública “concluiu o reconhecimento médico legal extra-hospitalar de 3.016 cadáveres suspeitos e confirmados de ser portadores de Covid-19”. A maioria desses reconhecimentos ocorreu em Santa Cruz, primeiro epicentro da doença no país.

A Bolívia, que tem 11 milhões de habitantes, registra mais de 60 mil infectados com Covid-19 no acumulado desde o início da pandemia. No país, o novo coronavírus deixou mais de 2,2 mil mortos. Com informações do G1

Sem Comentarios

2010 © Gazeta do Pantanal - Campo Grande - MS - www.gazetadopantanal.com