Início » Deputados recebem proposta e criam comissão permanente para discutir Previdência de MS

Deputados recebem proposta e criam comissão permanente para discutir Previdência de MS

por Redacao
0 comentário

Os secretários estaduais destacaram a participação da ALEMS – Foto: Divulgação

Os deputados estaduais receberam do Governo do Estado, na manhã desta quarta-feira (27), o Projeto de Lei para criação do benefício de assistência médico-social, no valor de R$ 300,00. No início das negociações, o auxílio seria aos aposentados e pensionistas com até dos salários mínimos. E, após a interlocução dos parlamentares, o benefício passou para quem recebe até o teto do valor previsto pelo INSS, equivalente a R$ 7.786,00.

“Desde que formamos um grupo de trabalho para estudar uma forma para mitigar prejuízo dos aposentados e pensionistas, que reivindicam o fim da contribuição de 14% para Previdência, atuamos com responsabilidade e não de forma política. Não queremos apontar culpados pelo rombo, mas buscamos a solução. É assim que vamos continuar o trabalho, por meio da comissão permanente”, destacou o presidente da Casa de Leis, deputado Gerson Claro (PP).

O deputado Pedro Kemp (PT) destacou alguns pontos que deverão continuar em debate com o governo, como a realização de concurso público e compensações junto ao Estado do Mato Grosso e ao INSS. “Temos que receber valores de quando o Estado foi dividido. Temos que receber da migração do INSS para a Previdência Estadual. E há necessidade urgente de concurso, uma vez que o servidor que está na inativa é quem contribuiu para quem está na inatividade”, disse.

Conforme Kemp, para haver o equilíbrio são necessários quatro servidores na ativa para cada aposentando. “O número de ativos era de 46 mil e hoje temos 36 mil. Muitos contratados contribuem para o INSS e não para Ageprev [Agência de Previdência Social de Mato Grosso do Sul]. Nossa luta continua na comissão para isentar dos 14% os pensionistas e aposentados que ganham até o teto do INSS”, acrescentou.

Em entrevista à imprensa, o secretário de Gestão e Estratégia, Rodrigo Perez, informou que o Projeto de Lei para criação do benefício de assistência médico-social foi protocolado. “O governo pensa nos menos favorecidos. O auxílio é uma forma de atender o pleito daqueles que ganham até o teto do INSS. A articulação da Assembleia Legislativa foi importante, pois o benefício vai atingir aproximadamente 11.150 inativos e pensionistas”, disse.

O secretário de Administração, Frederico Fellini, salientou que todo o processo de negociação foi marcado por responsabilidade e cautela. “Atingimos os objetivos, talvez não na sua totalidade, como todos os aposentados gostariam, mas é com certeza irá mitigar um pouco neste momento tão delicado. A Assembleia sempre foi muito sensível nessa discussão com o governo e os deputados solicitaram o estudo orçamentário para ver o que seria possível”, afirmou.

O impacto aos cofres público será em torno de R$ 3,2 milhões por mês. “De 30.000 aposentados e pensionista, a proposta irá atingir um terço deles. Em todo o Brasil, o problema da Previdência resultou nas contas públicas feridas e a sociedade ficou prejudicada com investimentos e com custeio da máquina. Com esse auxílio, não estamos mexendo na Previdência e Estado quem aportará um pedaço maior de recursos financeiro pra equacionar isso e garantir uma aposentadoria tranquila pra quem está na inatividade”, acrescento Fellini.

Você Pode Gostar

©1993-2023 – Gazeta do Pantanal