Início » Menina espancada e incendiada pelo ex-padrasto é enterrada em Aquidauana

Menina espancada e incendiada pelo ex-padrasto é enterrada em Aquidauana

Vítima permaneceu 64 dias seguidos internada, de 8 de dezembro de 2023 a 10 de fevereiro de 2024

por Redacao
0 comentário

Delegacia de Polícia Civil de Sidrolândia, que investiga o caso – Foto: Divulgação

Conforme apurado pela mídia local, menina, de 11 anos, incendiada e espancada pelo ex-namorado da mãe em dezembro de 2023, foi enterrada neste domingo (11), em Aquidauana, município localizado a 140 quilômetros de Campo Grande.

Ela faleceu no último sábado (10), no Hospital Santa Casa de Campo Grande. A menina morava em Sidrolândia, mas foi enterrada em Aquidauana, cidade natal de seus pais.

A vítima permaneceu 64 dias seguidos internada, de 8 de dezembro de 2023 a 10 de fevereiro de 2024. Ela teve cortes de 20 centímetros na cabeça, traumatismo craniano e queimaduras de 3º e 4º grau. No hospital, precisou amputar braço, perna e dedos devido aos graves ferimentos.

O crime

A mãe, que não teve a identidade divulgada, namorou Lucas Cáceres Kempener, de 24 anos, por cerca de três meses. O relacionamento era conturbado, com ameaças, ciúmes, xingamentos e controle sobre a vida da parceira.

Ele chegou a hackear as redes sociais da mulher, utilizando e-mail próprio. A mulher terminava e voltava com o criminoso constantemente e só decidiu colocar um fim definitivo na relação após encontrar pornografia infantil no celular do ex-parceiro.

Mesmo separados, o indivíduo invadiu a casa três vezes pulando o terreno baldio vizinho. Em uma dessas ocasiões, ele matou o cachorro da família pisando nele e desovando o corpo em um pé de goiabeira próximo da residência.

Em 8 de dezembro de 2023, a mãe saiu para trabalhar e deixou as duas filhas, de 11 e 3 anos, sozinhas em casa.

Neste dia, o ex-namorado invadiu a casa, espancou as crianças e ateou fogo contra a residência. As crianças tiveram cortes de 20 centímetros na cabeça (com massa encefálica para o lado de fora), traumatismo craniano e queimaduras de 3º e 4º grau.

As meninas foram encaminhadas para a Santa Casa de Campo Grande em estado gravíssimo. A menina de 3 anos recebeu alta do hospital após algumas semanas e, a de 11 anos, permaneceu 64 dias internada e faleceu em 10 de fevereiro de 2024. No hospital, precisou amputar braço, perna e dedos devido aos graves ferimentos.

Lucas Cáceres foi morto em confronto com policiais civis do Delegacia Especializada de Repressão a Roubo a Banco, Assaltos e Sequestros (Garras), em 24 de janeiro de 2024, após resistir a prisão.

Ele desobedeceu a abordagem policial, sacou a arma e atirou contra os policiais, que revidaram, balearam e desarmaram o criminoso. Ele foi encaminhado ao hospital, mas não resistiu aos ferimentos e faleceu no local.

L.C.K era acusado de tentativa de homicídio contra as duas crianças; estupro e lesão corporal grave, além do incêndio doloso. Fonte: Correio do Estado

Você Pode Gostar

©1993-2023 – Gazeta do Pantanal