TRIBUNAL DE CONTAS-SINDROME DE DOW_ABRIL 2024

 

Início » Chefões do PCC ‘agendam’ ataques contra policiais penais de Mato Grosso do Sul

Chefões do PCC ‘agendam’ ataques contra policiais penais de Mato Grosso do Sul

Organização criminosa teria marcado até as datas; serviço de inteligência da Agepen-MS diz que 'não é uma informação validada'

por Redacao
0 comentário

Policiais paraguaios em recente operação dentro de presídio na região de fronteira com Mato Grosso do Sul – Foto:  Divulgação

Chefões do PCC, Primeiro Comando da Capital, tido como maior organização criminosa que age dentro e fora dos presídios, teria marcado datas para atacar servidores que atuam no sistema penitenciário de Campo Grande.

Conforme noticiado pela coluna “Na Mira”, do portal Metropoles, nesta terça-feira (21), a cúpula do PCC teria divulgado um “salve”, que é uma espécie de ordem para que todos os integrantes da facção espalhados pelo país levantem todo o tipo de informação sobre servidores dos sistemas penitenciários estaduais.

Ainda conforme o publicado, a organização teria recebido como determinação duas datas estabelecidas pelos chefões, para atacar os servidores da segurança pública: 28 de novembro e 3 de dezembro, ou seja, a partir da semana que vem.

Também segundo o Metropoles, as informações acerca do tal ‘salve’ circularam entre detentos encarcerados no Presídio do Distrito Federal I (PDF I), no Complexo Penitenciário da Papuda.

Na última semana, em um documento sigiloso obtido pela coluna Na Mira, a Secretaria Nacional de Políticas Penais (Senappen) destacou que policiais penais federais deveriam permanecer em alerta máximo, principalmente os lotados nos presídios de Campo Grande (MS) e de Brasília.

O Correio do Estado, em contato com a assessoria de imprensa da Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário) de Mato Grosso do Sul, para ver se o órgão comentasse o eventual ataque previsto, recebeu como resposta:

“Não é uma informação validada pelo serviço de inteligência”.

PCC

Investigações conduzidas pelas polícias estaduais já concluíram que mesmo de dentro dos presídios, o PCC chefia a prática de tráfico de drogas, assalto e manda matar rivais. Fonte: Correio do Estado

Você Pode Gostar

©1993-2023 – Gazeta do Pantanal