TRIBUNAL DE CONTAS-SINDROME DE DOW_ABRIL 2024

 

Início » Agropecuária que despejou 60 toneladas de cascalho no Rio Formoso tem licença suspensa em MS

Agropecuária que despejou 60 toneladas de cascalho no Rio Formoso tem licença suspensa em MS

por Redacao
0 comentário

A suspensão é por prazo indeterminado e assinada pelo diretor-presidente do Imasul, André Borges Barros de Araújo – Foto: Divulgação

Portaria do Imasul (Instituto de Estado de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul) suspendeu a licença de instalação e operação n. 000521/2022, da Agropecuária Rio Formoso Ltda, no município de Bonito, distante 297 quilômetros de Campo Grande. A portaria foi publicada nesta segunda-feira (27) no Diário Oficial do Estado.

A licença foi suspensa após a empresa ser acusada de despejar toneladas de cascalho no rio e provocar o desvio de seu curso para um canal existente em uma fazenda, com objetivo de fazer funcionar a turbina de geração de energia.

O crime ambiental foi cometido em 2007. Na ocasião, 60 toneladas de cascalho foram despejadas no rio, ocasionando seca por 10 quilômetros, inclusive de algumas cachoeiras.

A suspensão considerou o instrumento da Política Nacional do Meio Ambiente o licenciamento e a revisão de atividades efetiva ou potencialmente poluidoras; os Princípios Constitucionais da Prevenção e Precaução que devem ser observados pelo Poder Público com a adoção de medidas que corrijam ou evitem possíveis danos ao meio ambiente ou que afastem o próprio risco fiscalização da Polícia Militar Ambiental recente no local.

A suspensão é por prazo indeterminado e assinada pelo diretor-presidente do Imasul, André Borges Barros de Araújo.

Derrota na Justiça

Depois do Imasul (Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul) negar a solicitação de licenciamento ambiental, a empresa Agropecuária Rio Formoso ingressou com mandado de segurança com pedido de liminar e outorga de uso de recursos hídricos. No entanto, o juiz da 3ª Vara de Fazenda Pública de Campo Grande, Fernando Paes de Campos, negou o requerimento em junho deste ano.

O equipamento foi instalado na propriedade em 1976, mas, à época, não havia qualquer impedimento para a sua construção ou funcionamento. Com o passar do tempo foram surgindo diversas exigências legais de caráter ambiental, o que impediu a concessão de licenciamento.

Em sua decisão, o juiz evocou a Lei Estadual nº 5.782/2021, que instituiu a Área Prioritária Banhados das Nascentes do  e do Rio Formoso para ações governamentais relativas à qualidade ambiental e ao equilíbrio ecológico. Este novo ordenamento ratificou a preocupação com a proteção e a preservação ao vedar a realização de atividades antrópicas (feitas pelo homem) na região. Fonte: Miiamaxuol

Você Pode Gostar

©1993-2023 – Gazeta do Pantanal