TRIBUNAL DE CONTAS-SINDROME DE DOW_ABRIL 2024

 

Início » Ações contra gripe aviária monitoram até aves migratórias no Pantanal

Ações contra gripe aviária monitoram até aves migratórias no Pantanal

por Redacao
0 comentário

Drone é usado para monitorar, do alto, aves silvestres que têm o Pantanal como local de parada durante a migração – Foto:  Divulgação

Temendo a chegada do vírus da gripe aviária ao Estado, algo que poderia ser catastrófico para um negócio que fatura R$ 1,7 bilhão por ano em exportações e emprega em torno de 50 mil pessoas, as autoridades sanitárias de Mato Grosso do Sul estão monitorando até aves migratórias no meio do Pantanal, principalmente na região da Nhecolândia.

Ali, há pontos que são paradas para aves que anualmente voam milhares de quilômetros em um ritual migratório que começa  em países como Canadá, Estados Unidos e México. O temor é de que estas aves possam estar contaminadas pela influenza e depois ela poderia chegar aos aviários.

“Todo o trabalho é feito principalmente nas proximidades das lagoas em propriedades rurais, identificadas por imagens de satélites e também ouvindo a população local como pontos onde as aves silvestres se encontram, e também podem ter contato com as domésticas”, explica o médico veterinário Marco Aurélio Guimarães.

Fiscal agropecuário e gerente de Controle e Operações do Iagro (Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal de Mato Grosso do Sul), Guimarães, assim como outros fiscais, tem auxílio da tecnologia para esse trabalho, usando drones para encontrar aves doentes.

Com a visão aérea, é possível identificar aves silvestres caídas ou mesmo com outros sintomas da influenza aviária. “Essas áreas são possíveis pontos de entrada da doença no Brasil, e por isso intensificamos o trabalho nesses locais, mesmo que distantes”, frisa.

Se algum caso suspeito é identificado, as aves domésticas da propriedade têm amostragens de sangue coletadas para análise em laboratório federal, com prazo de uma semana para se ter o resultado nesse período de maior vigilância – que subiu após a identificação da influenza aviária em uma granja boliviana na região dos Andes, que apesar de distante de Mato Grosso do Sul, se faz necessário a intensificação da fiscalização.

Na Curva do Leque, um Novo Horizonte

No último fim da semana passada, uma das áreas fiscalizadas foi a fazenda Novo Horizonte, próxima da Curva do Leque na estrada parque, região da Nhecolândia.

Um dos parceiros da Iagro na vigilância animal é o médico veterinário responsável pela fazenda, Leandro de Souza Kuhn. “É uma fazenda de 7,4 mil hectares, tem leilões também, então é tudo muito corrido aqui. A Iagro é parceira ao trazer informações sobre tudo relativo ao nosso trabalho e também ao fazer a coleta e trazer resultados”, frisa, completando.

As visitas da Iagro ali ocorrem quinzenalmente, assim como acontece em outras áreas. Das aves silvestres que estão no foco da fiscalização, estão principalmente os patos e os gansos. Contudo, todas estão na mira da agência. A orientação para a população é que se evite o contato com esses animais e que qualquer suspeita deve ser avisada às autoridades.

Os contatos para tirar dúvidas ou mesmo apontar possíveis problemas relativos à sanidade animal e vegetal são o site da Iagro, o sistema e-sisbravet, os escritórios locais da Iagro e o número da agência no WhatsApp, que é o (67) 99961-9205.

Fronteira em alerta

O monitoramento da migração de aves é apenas uma das ações do Governo de Mato Grosso do Sul para evitar a entrada da influenza aviária no Brasil pelo território sul-mato-grossense. Desde o dia 9 de março está em funcionamento no Posto de Fiscalização Esdras, na linha de fronteira com a Bolívia, o arco de desinfecção da Iagro.

A estimativa é que diariamente 8 mil veículos de passeio cruzem a linha internacional entre Brasil e Bolívia, além de aproximadamente 800 veículos de cargas. Muitos deles vão passar pelo arco, que com esguichos faz a limpeza necessária para impedir o avanço da influenza.

Outro ponto de fiscalização está na BR-262, onde fica a unidade da PMA (Polícia Militar Ambiental) no Buraco das Piranhas. Além desses dois trabalhos, também são feitas fiscalizações volantes em diversos pontos da região fronteiriça. Os assentamentos estão inclusos nessa fiscalização, devido a fronteira seca.

Por ora, não há nenhum caso da doença no Brasil. Uma das características da influenza aviária é a alta mortalidade das aves e humanos infectados. A transmissão para humanos só ocorre se houver contato íntimo com esses animais, e não existem ainda casos de transmissão entre humanos. Contudo, uma mutação do vírus pode acontecer e a doença passar a ser transmissível de pessoa para pessoa, seguindo com alta mortalidade.

Você Pode Gostar

©1993-2023 – Gazeta do Pantanal