TRIBUNAL DE CONTAS-SINDROME DE DOW_ABRIL 2024

 

Início » Studio 89 e Astronauta Elvis mostram metamorfose do rock na Concha

Studio 89 e Astronauta Elvis mostram metamorfose do rock na Concha

por Redacao
0 comentário

Em comum, Studio 89 e Astronauta Elvis possuem a pegada do rock. E também metamorfoses que adicionaram elementos novos ao som que fazem. A música em mutação das bandas Astronauta Elvis e Studio 89 é a atração deste domingo (18) do Som da Concha. Os shows começam a partir das 17h30 na Concha Acústica Helena Meirelles, com entrada franca. 

O projeto Som da Concha é uma realização do governo do Estado, por meio da Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul (FCMS), em parceria com a Fundação Manoel de Barros, TV Pantanal, Rádio 103,7 Uniderp FM e TV Brasil Pantanal. 

Formada há dez anos em Campo Grande, Stúdio 89 começou como Jirhad, fazendo um som de estilo indie e post punk com influências do punk rock e cantando letras existenciais e ácidas.  

Após experiências nos palcos, programas (como Templo do Rock, da FM 104) e festivais, em 2008 a banda passa a trabalhar com o produtor Alessandro Russo e sofre uma reformulação em suas estruturas. 

O grupo assume um novo nome, as novas composições se tornam mais líricas, menos ácidas e com melodias mais refinadas. Tecnicamente, a banda Stúdio 89 passa a explorar outras possibilidades sonoras.  

O álbum Quatro Letras no Coração, com 9 músicas inéditas e 2 faixas bônus retiradas do CD demo anterior marcam a nova trajetória. No show, músicas próprias se mesclam com covers que se espelham neste novo momento.

Astronauta Elvis 

Nascida de uma revolução e da evolução dos Impossíveis, pioneira banda de punk rock de Campo Grande, Astronauta Elvis se envereda por outras vertentes para conquistar uma sonoridade original, mas que ainda revela traços de sua origem.  

Para criar esse novo som, os músicos Jean, Cebola e Vagner, alguns dos criadores dos Impossíveis, convidaram Letícia e Thiago para formarem a banda. As influências partem do proto punk do fim dos anos 60 e chegam ao guitar rock dos anos 90.

Horizontes mais abertos de influências resultam em novidades sonoras e muita experimentação. Mas as batidas rápidas e os acordes estridentes ainda permanecem.

Som da Concha

O projeto é uma realização da Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul, que prevê apresentação de shows em domingos alternados. 

A Concha Acústica Helena Meirelles fica no Parque das Nações Indígenas, na rua Antonio Maria Coelho, 6000. Outras informações pelo telefone (67) 3314-2031. A entrada para os shows é franca.

Você Pode Gostar

©1993-2023 – Gazeta do Pantanal