“Praticar o autoconhecimento é um grande passo no combate ao estresse”, diz psicólogo

Cada vez mais comum entre pessoas de diferentes idades, o estresse é uma resposta do nosso organismo a estímulos que recebemos, geralmente ligados a situações de perigo e ameaça, que muitas vezes causam diferentes impactos à nossa saúde mental e física. Um exemplo bem atual são as mudanças de rotina, o distanciamento social, as questões econômicas e os novos desafios enfrentados devido à pandemia da Covid-19.

Embora pareça simples de resolver, muitas pessoas não sabem lidar com isso, e para conscientizar a população sobre o assunto, nesta quinta-feira (23), é celebrado o Dia Mundial de Combate ao Estresse.

Dia Mundial de Combate ao Estresse é celebrado nesta quinta-feira, 23 – Foto: Divulgação

De acordo com o psicólogo de Campo Grande Robson Rocha Antunes, cada pessoa pode expressar o estresse de uma forma diferente. “Algumas desencadeiam quadros de ansiedade, depressão, ansiedade generalizada, ou mesmo doenças fisiológicas como a hipertensão, por exemplo, Síndrome de Burnout, entre outros”, explica.

Robson alerta que é preciso observar os diferentes sinais que nosso corpo emite quando estamos estressados. Segundo ele, vale destacar os seguintes:

Emocionais: emoções excessivas e persistentes de tristeza, raiva, culpa, medo ou preocupação, humor deprimido, desânimo, irritação ou sentimento de que está com “os nervos à flor da pele”, indiferença afetiva (sensação de “tanto faz”).

Comportamentais: discussões e perda de paciência, dificuldade de expressar e compartilhar sentimentos, aumento ou abuso de algumas substâncias, como remédios, álcool, cigarro e drogas, violência e agitação.

Cognitivos: dificuldade para lembrar-se de informações (os chamados “brancos de memória”), para concentrar-se ou tomar decisões, pensamentos repetitivos e intrusivos (que “invadem a mente”) sobre temas desagradáveis.

Físicos: falta de ar, dor de cabeça, dores musculares, aumento dos batimentos cardíacos, alterações drásticas do apetite e do sono (falta ou excesso), má digestão, sensação de queimação ou peso no estômago, diarreia, prisão de ventre, cansaço e falta de energia, dores em geral sem causa aparente, tremores e piora no quadro geral de quem já tem uma doença.

O psicólogo diz que o primeiro grande passo para combater o estresse é praticar o autoconhecimento, identificando quais foram os estímulos causadores e elaborando estratégias para agir de maneira diferente. “Além do autoconhecimento existem diversas estratégias que podem ser eficazes na redução do estresse.

Pesquisas apontam a necessidade de fazer uma pausa, meditar, pois muitas vezes precisamos reordenar e resignificar novas atitudes para cristalizar novos comportamentos. Praticar atividade física, cuidar da alimentação, além de manter relações com outras pessoas são fatores muito importantes na prevenção e controle do estresse”, explica.

Robson destaca que, casos em que o indivíduo tenha atingido um nível muito alto de estresse e não consiga administrar sozinho, mesmo traçando novas estratégias, é hora de buscar ajuda profissional. “A ajuda de um profissional habilitado neste momento é essencial. Um psicólogo ou psiquiatra de sua confiança pode recomendar as terapias ideais para as suas necessidades e assim, ajudar a combater esse mal”.

Sem Comentarios

2010 © Gazeta do Pantanal - Campo Grande - MS - www.gazetadopantanal.com