Águas que alimentam o Pantanal: Bacia Hidrográfica do Rio Miranda

Localização: A Bacia Hidrográfica do Rio Miranda abrange 44.740 km2. Suas nascentes se encontram na região da Serra de Maracaju, local onde se encontra a maioria das nascentes dos rios contribuintes da bacia (IMASUL & SEMAC, 2014). A Bacia Hidrográfica do Rio Miranda faz fronteira, ao norte, com a bacia do Rio Negro, a oeste com a bacia do Rio Nabileque, ao sul e a sudoeste com a bacia do Rio Apa. Ela também encontra, a noroeste, um trecho da bacia do Rio Taquari (Mendes, 2004).

Municípios: Os municípios abrangidos pela Bacia Hidrográfica do Rio Miranda são vinte e três no total, todos inseridos no estado de Mato Grosso do Sul, Anastácio, Guia Lopes de Laguna, Nioaque, Rochedo, Terenos, Bodoquena, Dois Irmãos do Buriti, Bonito, Miranda, Jardim, Corguinho, Bandeirantes, Aquidauna, Jaraguari, Maracaju, Sidrolândia, Ponta Porã, Campo Grande, São Gabriel do Oeste, Rio Negro, Corumbá, Bela Vista e Porto Murtinho (ANA, 2016).

Economia: Cinquenta e quatro por cento da população do estado está concentrada nos municípios contribuintes da BHRM, sendo 90% da mesma presente em zonas urbanas. Na região, destaca-se a pecuária, voltada a criação de bovinos, seja para a produção de carnes ou de produtos de origem animal, como lácteos, couro e ovos.

Rio Miranda com trecho de mata ciliar bem protegida. O rio percorre uma distância estimada de 490 km, cruza os biomas Cerrado e Pantanal e desemboca no Rio Paraguai, no município de Corumbá (MS) – Foto: cedida pelo Projeto Brasil das Águas

Além disso, há um destaque para a produção agrária no estado, principalmente soja e milho, seguidos pelo arroz, trigo, algodão, feijão e cana-de-açúcar. Atualmente, também se têm voltado a atenção para o turismo sustentável na região, pela quantidade de belezas naturais inexploradas, como nascentes, grutas, saltos e cachoeiras. A renda per capita dos habitantes dos municípios da BHRM gira em torno de dois salários mínimos por mês, compreendendo em torno de 45% da população economicamente ativa (Mendes, 2004).

Outros pontos relevantes: Não há rios federais ou de domínio da União na área, sendo os mais próximos o Rio Paraguai, na desembocadura da Bacia, e o Rio Apa, na porção sul. Os principais usos de recursos hídricos são voltados para a irrigação industrial, dessedentação animal e o abastecimento humano (urbano e rural). Nas regiões de cultivo, muitas vezes representadas por monoculturas, existe maior perda da fertilidade, empobrecimento, desagregação e erosão do solo (Mendes, 2004).

Esta publicação faz parte de um levantamento sobre as sub-bacias da Bacia do Alto Paraguai para a formação de um Mapa Interativo:

Visualizar mapa na tela inteira

Nathália Rocha

Este levantamento foi realizado por Nathália Rocha. Nathália é graduada em Ciências Biológicas (UFMS) e Mestranda em Ecologia e Conservação (UFMS). Atuou como pesquisadora na Ecoa entre 2019 – 2020 no Programa Oásis de Conservação de Polinizadores e na Agenda de Infraestrutura e Energia.

Referências:

Mendes, A.B.C.; Dias, F.A.; Lange, M.B.R; Pereira, M.C.B.; Becker, M.; Barreto, S.R.; Grehs, S.A. 2004. Bacia Hidrográfica do Rio Mirada: estado da arte. Campo Grande: UCDB, p 177.

Agência Nacional de Águas. 2016. Relatório Hidrológico.

IMASUL & SEMAC. 2014. Plano de Recursos Hídricos da Bacia Hidrográfica do Rio Miranda.

Sem Comentarios

2010 © Gazeta do Pantanal - Campo Grande - MS - www.gazetadopantanal.com