De 11 vereadores, apenas um pode deixar de concorrer a reeleição à Câmara Municipal em Miranda

Áureo Audi/Gazeta do Pantanal

Com a aprovação pelo Congresso Nacional do fim das coligações, um dos principais objetivos  seriam desestimular a criação e manutenção das chamadas legendas de aluguel – partidos usados no passado por siglas maiores para turbinar seu quociente partidário – e acabar com o “efeito Tiririca”, quando a votação expressiva de um candidato ajuda a eleger outros da mesma coligação. Eleito em 2014 com mais de 1 milhão de votos, o deputado federal Tiririca (PL)  de São Paulo levou para a Câmara Federal outros cinco candidatos. Por isso a denominação, “efeito Tiririca”.

Câmara Municipal de Miranda é composta por 11 vereadores – Foto: Arquivo

A partir desse ano não haverá coligação proporcional nem o mecanismo da cláusula de barreira. Os candidatos não poderão coligar e, dentro do partido, quem não fizer 10% do quociente eleitoral mesmo que o partido alcance uma vaga, não entra.

Na prática, isso implica que não adianta colocar um candidato “Tiririca”, puxador de votos para conquistar 4 ou 5 vagas, se dentro do partido só tiverem dois ou três que atingirem a cláusula de barreira.

Especialistas acreditam que a mudança deve fortalecer partidos mais competitivos, teoricamente implica dizer que as pessoas que já têm mandato, que possuem uma carreira política já consolidada, nesse momento estariam em vantagem.

Reeleição

A Câmara Municipal de Miranda composta por 11 vereadores, deve ter uma campanha acirrada pela reeleição. Dos 11 parlamentares, apenas o presidente do Legislativo Municipal, vereador Adilson Antônio, popularmente conhecido como Zebra, que recentemente trocou o PSL pelo PT, ainda não teria manifestado interesse na candidatura a reeleição.

Pela bancada do PDT, os vereadores; Waldeci Primo, André Vedovato, Nilton Medeiros e Fábio Florença já estão pré-candidatos a reeleição. Pelo Podemos os vereadores Adimar Acosta e Giorgio Cordela, também estarão disputando a reeleição.

Rodirlei Lisboa, Walter Ferreira e Assunção Cardoso saem á reeleição pelo PSDB. Pelo PSD também candidata a reeleição, a vereadora Elange Ribeiro única representante feminina no legislativo mirandense.

A princípio os vereadores citados na matéria, estão pré-candidatos a reeleição para o legislativo municipal. No entanto, não está descartada a candidatura a vice-prefeito de vereadores nas chapas majoritárias que estarão disputando as eleições municipais de 2020.

Pessoas que vão se candidatar pela primeira vez vão ter que calcular muito em qual partido efetivamente deverão entrar para ter chance de ser eleito. Para os estreantes e para os candidatos menores, isso será um desafio a mais, acreditam alguns especialistas.

A redação do site gazetadopantanal.com, entrou em contato pelo celular do vereador Adilson Antônio, que até o fechamento da matéria não atendeu, nem retornou as ligações.

1 Resposta para “De 11 vereadores, apenas um pode deixar de concorrer a reeleição à Câmara Municipal em Miranda”

  1. Euggenio disse:

    Excelente matéria ! Poderia fazer outra com os pré- candidatos que vão concorrer pela primeira vez . Fica ai a sugestão.

Comente esta noticia...

2010 © Gazeta do Pantanal - Campo Grande - MS - www.gazetadopantanal.com