Pequenos empresários denunciam ágio na locação e comercialização de quiosques em Miranda

Redação

Esta semana um pequeno grupo de comerciantes entrou em contato com a redação do site para denunciar o que eles chamaram de “ágio na locação e comercialização” de alguns quiosques localizados  na Avenida Afonso Pena, no município de Miranda. A Avenida Afonso Pena, uma das principais da cidade, vem se transformando ao longo dos anos, num corredor gastronômico. Lá é possível encontrar espetinhos, sanduíches, pastéis, dentre outros atrativos gastronômicos.

Segundo informações dos comerciantes, os quiosques teriam sido doados, através de sorteio pela prefeitura municipal. No entanto, eles não souberam explicar se, seria legal a locação ou a comercialização do espaço, uma vez que os “donos” dos quiosques não teriam pago nenhum valor ao município para a ocupação e exploração do local.

Ainda segundo declarações dos denunciantes, os valores cobrados pela locação de um quiosque estaria na faixa de R$ 3.000,00 (três mil reais) mensais e a comercialização seria na faixa de R$ 30.000,00 ( trinta mil reais). “Não conhecemos o teor do contrato estabelecido entre o município e os proprietários dos quiosques, nem em que gestão essa parceria se deu. Estamos apenas alertando as autoridades sobre o que vem acontecendo. Também não podemos nos identificar, uma vez que corremos o risco de que os proprietários nos tirem daqui. Essa é a maneira que encontramos para trabalhar. Mas, está difícil alcançar êxito, já que os aluguéis são muito altos”, disseram.

O aluguel do quiosque estaria na faixa de R$ 3.000,00 mensais e a comercialização seria na faixa de R$ 30.000,00 – Foto: Reprodução

Ainda de acordo com declarações dos denunciantes, a prefeitura através da secretaria de obras, tem realizado constantemente a limpeza e conservação da avenida. No entanto, seria importante que a atual gestão organizasse a situação dos proprietários dos quiosques.

“Seria importante que a prefeitura realizasse uma reunião com os donos dos quiosques. Inclusive, alguns estão fechados. Dizem que os donos são grandes comerciantes e empresários da cidade. Se eles não tem interesse em explorar, deveriam passar para quem precisa”, sugeriram .

Essa semana a redação do site gazetadopantanal.com vai entrar em contato com a prefeitura de Miranda, no sentido de ouvir a versão oficial do município e possíveis providências.

Feirinha

Na mesma avenida, aos sábados pequenos produtores rurais de assentamentos e comunidades indígenas, utilizam o local para a exposição e comercialização de seus produtos. Dentre os quais, queijos, mandioca, feijão de corda, frutas e verduras.

“Estamos há muito tempo, comercializando nossos produtos aqui na calçada na Avenida Afonso Pena. Na verdade, precisávamos ter um espaço especifico para que os pequenos produtores e indígenas da cidade pudessem vender a produção. As copas das árvores ajudam a amenizar o calor nessa época do ano. Mas, quando chove a situação fica complicada. Somos obrigados a sair correndo com nossos produtos e o prejuízo é certo. Muitas mulheres trazem crianças, não existe sanitários públicos e, comerciantes da região, muitas vezes cedem os banheiros , mas não é uma situação agradável. Estamos confiantes de que o prefeito Edson Moares, entenda nossa situação e encontre um local adequado para que possamos vender nossos produtos com conforto e segurança”, disseram alguns produtores rurais.

 

Sem Comentarios

2010 © Gazeta do Pantanal - Campo Grande - MS - www.gazetadopantanal.com