Unindo moda e fotografia, brechó se destaca nas redes sociais em Campo Grande

Os stories do brechó Black Velvet no instagram são fofos. Com uma pegada jovem e moderna, a brecholeira Priscilla de Oliveira Santos, 24 anos, aliou seu amor à fotografia e à moda, com isso ganhou destaque nas redes sociais e vem crescendo.

Há pouco mais de um ano empreendendo, ela soma neste novo conceito de brechó, onde as peças são tratadas com carinho e cuidado. O mercado de roupas usadas vem ganhando força exatamente com este perfil, que leva em conta a qualidade das peças, higiene e organização. Não existe mais espaço para brechós que vendem peças rasgadas, manchadas ou sujas.

O brechó Black Velvet faz parte do Coletivo de Brechós do MS – Foto: Divulgação

“O que me levou a começar o Black Velvet foi poder trabalhar na minha área com algo que eu goste, e desta forma colocar minhas ideias em prática. Sou formada em moda e desde que terminei a faculdade as únicas oportunidades que tive foram em lojas como vendedora e não podia interferir. Então com o brechó eu posso fazer do meu jeito”, afirma Priscilla.

Segundo ela, o consumo consciente foi um dos conceitos que fez com que se decidisse. O fato de poder dar um novo sentido à uma peça que estava parada no guarda roupa de alguém. “Eu amo moda e fotografia, e o brechó me permite usar a criatividade para fazer tudo o que eu tenho vontade. Faço ensaios focando em temas específicos, vídeos com ideias de looks e amo mostrar como uma mesma peça pode ser usada de várias maneiras. Procuro sempre atualizar o instagram com fotos que chamem a atenção”.

Participação no Coletivo de Brechós

O brechó Black Velvet faz parte do Coletivo de Brechós do Mato Grosso do Sul, um grupo de brecholeiras que se unem e levam ao público do Estado o que há de melhor no segmento de usados. Segundo Priscilla, participar do grupo faz toda a diferença. “Descobri o coletivo através de uma amiga que já participava. Me inscrevi e fiquei numa fila de espera. Depois de um tempo recebi uma mensagem perguntando se ainda tinha interesse. Foi uma alegria. Não sabia como funcionava, mas topei na hora. Desde então está sendo maravilhoso! Larguei meu emprego de carteira assinada e participo de todas as feiras. As meninas são como uma família, eu aprendo muito com elas. E estou aumentando minha clientela de forma significativa”.

 

Sem Comentarios

2010 © Gazeta do Pantanal - Campo Grande - MS - www.gazetadopantanal.com