Levy caiu ao rejeitar caça às bruxas de Bolsonaro no BNDES, diz associação

A Associação de Funcionários do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) enxerga com preocupação a sucessão de Joaquim Levy no comando do banco. Ele pediu demissão neste domingo, 16, após críticas públicas do presidente Jair Bolsonaro ao seu comportamento à frente da instituição.

Levy entregou carta de demissão ao ministro Paulo Guedes (Economia) neste domingo após ser criticado por Bolsonaro (Sergio Moraes/Reuters)

Para o economista Arthur Koblitz, vice-presidente da AFBNDES, a queda ocorreu porque Levy não validou a “caça às bruxas” que o governo quer que seja feita no banco.  “Vai ser difícil encontrar um nome que tenha responsabilidade de gestão e amor a sua biografia e que irá topar as demandas do governo”, afirmou.

Segundo Koblitz, as exigências de Bolsonaro são a abertura da chamada “caixa-preta” do banco, com investigações de supostas propinas pagas a funcionários para que se concedesse empréstimos a empreiteiras nos governos do PT, e o pedido de devolução de dinheiro da União injetado no BNDES – essa pauta é do Ministério da Economia comandado por Paulo Guedes.

“Você não encontra entre as pessoas sérias quem ache que o BNDES é uma caixa-preta. Isso não faz sentido e ele ( Bolsonaro) quer alguém que se submeta. O mesmo vale para o lado do Ministério da Economia, que fala em ‘despedalar’ o BNDES devolvendo aportes feitos pela União. Isso é pedalar o BNDES porque desrespeita a Lei de Responsabilidade Fiscal na nossa visão”. O termo ‘despedalar’ foi  usado por Guedes em maio, durante um fórum do banco.

Antes do pedido de demissão de Levy vir a público, a associação já havia se manifestado contra as críticas de Bolsonaro ao então presidente do banco. Apesar de divergências sob alguns pontos da atual gestão, como o afastamento da chefe de departamento do Fundo Amazônia e declarações infelizes sobre operações de comércio exterior, a AFBNDES reconhece que Levy “nunca apoiou ou defendeu fantasias e calúnias que o presidente da República, sempre saudoso da campanha eleitoral, insiste em declarar sobre o BNDES”, diz uma nota publicada pela entidade. Com informações da Veja

Sem Comentarios

2010 © Gazeta do Pantanal - Campo Grande - MS - www.gazetadopantanal.com