Homem atacou professor pelas costas e o esfaqueou no peito em Bonito

Homem que matou o professor e major aposentado, Paulo Settervall, de 57 anos, em frente a um hotel, na noite de domingo (14), em Bonito, confessou que surpreendeu a vítima chegando por trás e dando o golpe fatal no tórax da vítima. Identificado como Bruno da Rocha, de 31 anos, ele disse que se sentiu constrangido com a recusa de Paulo em lhe dar um cigarro.

Bruno disse que se sentiu constrangido com a recusa de Paulo em lhe dar um cigarro – Foto: Reprodução/Facebook

De acordo com o delegado Gustavo Henriques Barros, da Delegacia de Polícia de Bonito, o autor contou, em depoimento, que havia brigado com a companheira, com quem tem dois filhos, e que estava armado à procura dela e do cunhado quando encontrou Paulo fumando na frente do hotel e pediu o cigarro.

“Diante da recusa, ele continuou descendo a avenida, encostou a bicicleta e voltou ao hotel para matar a vítima”, disse Barros.

Antes de cravar a faca em Paulo, Bruno teria dito: “Aqui está o trombadinha” e em seguida cometeu o crime, fugindo logo depois. Ainda conforme o delegado, o assassino estava tentando contato com familiares e amigos para fugir de Bonito. Ele chegou a passar na casa onde morava e queimou as roupas que estava usando.

A investigação foi a vários lugares em que o suspeito poderia estar, até que, por volta de 3h, após 30 horas foragido, ele foi encontrado e preso em flagrante em um imóvel não habitado que tinha invadido, próximo da cidade. A arma usada no crime não foi localizada.

Atualmente, Bruno está preso na Delegacia de Polícia de Bonito aguardando audiência de custódia. Ele deve ser indiciado por homicídio qualificado por motivo torpe e recurso que dificultou a defesa da vítima. Bruno morava na cidade turística e trabalha como pintor na região.

“SEJAM FELIZES SENHORES”

Nascido em São Paulo (SP), Settervall é casado e pai de um menino de 5 anos. Tranferido para o Comando Militar do Oeste (CMO) no início dos anos 1990, é um dos fundadores do Colégio Militar de Campo Grande em 1997. Por mais de dez anos permaneceu na instituição de ensino, em que chegou a ocupar o posto de comandante na última década.

Considerado carismático, o major era admirado e respeitado pelos alunos e ficou marcado pelos bordões em sala de aula. Em um dos mais marcantes e repetidos nas homenagens prestadas nas redes sociais, desejava felicidade aos alunos. “Bom dia e sejam felizes senhores”, brandava. Em outro, ensinada o que chamava de mandamento: “nunca, jamais, em tempo algum, dividirás por zero”, gritava, arrancando gargalhadas da turma.

Aposentado da carreira militar, Settervall comemorava o anúncio do fim de sua carreira como professor para se dedicar à família. Por isso foi com a família e amigos a Bonito. Atualmente, ele era contratado do Colégio Bionatus, que emitiu nota sobre o assassinato de seu funcionário.

“Nós, nos solidarizamos com os familiares e amigos por este tão delicado momento. Ao mesmo tempo, colocamo-nos para prestar total apoio aos familiares, além de desejar alívio e conforto”, diz o texto. Com informações do Correio do Estado

Sem Comentarios

2010 © Gazeta do Pantanal - Campo Grande - MS - www.gazetadopantanal.com