Centro Cultural realiza vernissage dos artistas Vitor Hugo Souza e Daniel Cota na Capital

O Centro Cultural José Octávio Guizzo (CCJOG), unidade da Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul (FCMS) realiza nesta quinta-feira (7.6), às 19 horas, a vernissage das exposições selecionadas por edital: “Cores no formato de poesia, história e cultura” do artista Vitor Hugo Souza e da exposição “Melancholía” do artista Daniel Cota que acontecerão respectivamente na galeria Wega Nery e na sala Ignês Corrêa da Costa.

Tela do artista Vitor Hugo.

A exposição “Cores no formato de poesia, história e cultura” retrata o perfil dos trabalhos do artista, inspirado no cotidiano, nas cores simples das estações, nos formatos e personalidades distintas, a mostra traz uma série de obras que envolvem poesia e simplicidade, em mensagens sutis ao espectador. A presente exposição traz ”recortes geométricos” que destacam aspectos poéticos nas pinturas que envolvem cultura popular, pensamentos, natureza e delicadeza.

Quanto à exposição “Melancholía” foi inspirada na antiga medicina grega que explicava que o físico e o psíquico do homem era resultado da mistura de elementos, sendo suas qualidades predominantes associadas as partes do corpo humano e aos humores, ou seja, tendências da personalidade que correspondiam a essas qualidades. Assim, Daniel Cota fez a sua própria alusão à mitologia humoral ao relacionar a melancolia ao elemento água, fazendo esta ordenação por meio dos fragmentos que a aquarela ocasiona relacionando esta experiência a efemeridade, delicadeza e sensibilidade.

A obra faz parte da exposição “Melancholia” inspirada na medicina grega de Daniel Cota.

As aquarelas são resultados dessa pesquisa ao buscar retratar uma alta carga psicológica por meio de narrativas alegóricas e transversais, ou seja, são imagens da intimidade da casa, do corpo e dos elementos que o residem, encenados em vicissitudes sensíveis  e intimistas a ambientes públicos em meio a natureza, marcando um paradoxo, um mundo como realidade oculta, numa alternância radical da vida que representa uma variação continua da memória ligada ao estado melancólico como um modo de estar em um lugar deslocado do tempo e do espaço. Desta maneira, ao falar indiretamente da melancolia, ao ir em busca desta ressignificação autobiográfica em torno da experiência com a depressão, o artista não exclui uma expressão coletiva do homem contemporâneo.

Artistas

Vitor Hugo Souza é natural de São Bernardo do Campo (SP), em 2001 mudou-se para Corumbá (MS), onde começou a se reconectar com seu lado artístico, iniciado na infância pelos traços e desenhos criados por sua mãe. Formado em Pedagogia, Técnico em Biblioteca e recém Artes Visuais, também é ilustrador de pensamentos, criador da Ghost Flowers (camisas com estampas feitas a mão livre) e tem trabalhos espalhados por vários estados do Brasil, também na Alemanha e Japão.

Atuou como curador e idealizador em exposições: “Passa no Museu que a arte te abraça” no Festival América do Sul, no Museu de Historia do Pantanal (MUHPAN), premiado em primeiro lugar no requisito pintura no 4° Salão de Artes ‘’Horizontes das Artes’’ – Premio Cidade Morena. Representou Mato Grosso do Sul no Rio Grande do Sul pelo projeto de intercâmbio Brasis pela Funarte. Pelo Sesc Corumbá realizou exposição na casa de Memoria Dr. Gabriel Vandoni de Barros e realizou intervenções em murais internos, no projeto de comemoração aos 100 anos do poeta sul-mato-grossense  Manoel de Barros.

Obra do artista Daniel Cota.

Uma das suas telas se encontra atualmente em Varsóvia (Polônia) e outro trabalho como plano de fundo para o Youtuber Anderson Tavares no Japão. Leciona Arte no município de Corumbá desde 2014 na EM Izabel Correa de Oliveira e no projeto Mais Cultura/Intervenções Artísticas – Grafite & Designer de Interiores na EE Nathercia Pompeo dos Santos.

Daniel Cota é campo-grandense, formado em Artes Visuais e Design de Interiores tem seu foco na linguagem da pintura e fotografia e já participou de exposições no Centro Cultural José Octávio Guizzo, na galeria de Vidro na Estação Ferroviária e na Biblioteca da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS).

As exposições estarão abertas à visitação até 7 de julho, de terça a sexta-feira, das 8h às 22h, e sábado das 8h às 18h. Mais informações podem ser obtidas no Centro Cultural José Octávio Guizzo, na rua 26 de Agosto, 453 Centro (entre avenida Calógeras e rua 14 de Julho) ou pelo telefone (67) 3317-1795.

 

Sem Comentarios

2010 © Gazeta do Pantanal - Campo Grande - MS - www.gazetadopantanal.com