Chuvas em novembro foi além do esperado em MS, o que já provoca elevação nos leitos de alguns rios

O mês de novembro registrou chuvas além do esperado em quase todo o Estado, o que já provoca elevação nos leitos de alguns rios, chegando a ocorrer alagamentos no caso de Coxim, por exemplo. Os dados são do Centro de Monitoramento de Tempo, do Clima e dos Recursos Hídricos de Mato Grosso do Sul (Cemtec/MS), órgão vinculado à Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro).

Portanto o temor de alagamentos em municípios localizados nas margens de rios – como Miranda, Aquidauana, Anastácio, Coxim, Corguinho. Foto: arquivo

Em Campo Grande o acumulado do mês somou 315,8 milímetros de chuvas, quando o esperado era 206,5 milímetros. Ou seja, 52% acima da previsão. Com relação ao acumulado do ano passado a diferença é ainda mais significativa. Em novembro de 2016 choveu 68,8 milímetros em Capital, cinco vezes menos do que no mesmo período deste ano.

Os municípios de Aquidauana, Bataguassu, Cassilândia e Sidrolândia superaram o acumulado histórico com índices entre 85% a 100%. Coxim – onde já ocorrem alagamentos devido ao transbordo do rio Taquari – choveu 317,6 milímetros em novembro, superando em 40,2% o esperado para o mês. Em outubro o Cemtec já havia registrado 148,8 milímetros de chuva em Coxim, valor também superior ao verificado no mesmo mês do ano passado.

Em Coxim e Chapadão do Sul choveu em 21 dos 30 dias de novembro. Em Sonora, Corumbá, Maracaju, Bataguassu, Itaquiraí e Aquidauana foram registradas chuvas em 18 dias. Sete Quedas registrou a chuva mais intensa: foram 89,8 milímetros no dia 18 de novembro. E novembro se despediu com aguaceiro em todo Estado. No dia 30 todos os 26 pontos de monitoramento do Cemtec registraram precipitações, sendo que em Chapadão do Sul ocorreu em maior intensidade: 74,4 milímetros.

E as previsões são de muita chuva também em dezembro, portanto o temor de alagamentos em municípios localizados nas margens de rios – como Aquidauana, Anastácio, Miranda, Coxim, Corguinho, entre outras – pode se concretizar. A coordenadora técnica do Cemtec, Franciane Rodrigues, afirma que a região norte do Estado deve receber a maior quantidade de chuva em dezembro devido às áreas de instabilidade estacionadas no Centro do País em combinação com as zonas de convergência.

Sem Comentarios

2010 © Gazeta do Pantanal - Campo Grande - MS - www.gazetadopantanal.com