Polícia Federal, Agepen/MS e Batalhão de Choque frustram tentativa de resgate de preso

A Polícia Federal de Três Lagoas em ação conjunta com a Agepen/MS e com o Batalhão de Choque da Polícia Militar, deflagrou na manhã desta terça-feira, 13, a Operação Cerberus que investiga organização criminosa especializada no contrabando de armas e que planejava realização de um resgate de preso.

Aproximadamente 30 policiais federais e 20 policiais militares do Choque estão cumprindo 03 Mandados de Condução Coercitiva, 01 Mandado de Prisão Preventiva e 04 Mandados de Busca e Apreensão expedidos pela 1ª Vara Criminal de Três Lagoas. Os mandados estão sendo cumpridos na cidade de Campo Grande, onde o grupo planejava realizar o resgate do presidiário.

Os investigados podem responder pelos crimes de formação de organização criminosa, posse e comércio ilegal de armas de fogo de uso restrito e fuga de pessoa presa, cujas penas somadas podem chegar a 28 anos de prisão.

As investigações tiveram início em março, quando o líder da OrCrim, de 31 anos,  orquestrou tentativa de fuga da Penitenciária de Três Lagoas com o uso de uma pistola calibre .380.

Após a primeira tentativa, o presidiário foi transferido para a Penitenciária de Segurança Máxima de Campo Grande, de onde passou a contar com o apoio de sua namorada de 25 anos e outros três comparsas de 23, 22 e 21 anos respectivamente, para contrabandear armas de fogo que seriam revendidas no sudeste do país, além de orquestrar nova tentativa de fuga mediante a rendição e possível assassinato de agentes penitenciários durante escolta para consulta médica.

O líder da OrCrim cumpre pena pelos crimes de porte ilegal de arma de fogo e tentativa de homicídio, enquanto ainda aguarda julgamento por novos crimes de uso de documento falso e porte ilegal de arma de fogo.

O nome da operação (Cerberus) faz alusão à criatura responsável por impedir a fuga das almas de criminosos que tentavam escapar do inferno, segundo a mitologia grega.

Os investigados serão conduzidos para a Polícia Federal em Campo Grande/MS, onde serão ouvidos e permanecerão à disposição da Justiça Estadual.

Será concedida coletiva à imprensa, às 10h, na Superintendência da PF em Campo Grande, com mais detalhes sobre a operação.

Aos interessados serão disponibilizadas fotos e filmagens da investigação. Será necessário trazer pen-drive com pelo menos 2GB de espaço livre.

Sem Comentarios

2010 © Gazeta do Pantanal - Campo Grande - MS - www.gazetadopantanal.com